COLOCANDO UM TEXTO DENTRO DE SEU CONTEXTO

“Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles.” Mateus 18:20

A confusão na interpretação desse versículo está em tirá-lo do contexto. Lendo o contexto vemos claramente o seu significado, e observaremos que se trata de um processo de disciplina na igreja. O contexto aponta para uma busca de reconciliação de dois irmãos, onde um pecou contra o outro.

Certa vez ouvi alguém dizendo que não compreendia este versículo porque ele passava a impressão que quando a pessoa está orando sozinha, Deus não estará presente e não a ouvirá.

O contexto refere-se apenas a instruções sobre como proceder em relação a quem nos tem ofendido. Jesus ensina como ofendido deve repreender o ofensor. A primeira coisa a fazer é ir procurar o ofensor em particular, sem esperar que este lhe peça perdão. Se o ofensor mostrar-se arrependido, a comunhão com o ofendido será restaurada.

Se o ofensor não se arrepender, numa segunda repreensão o ofensor deve levar consigo UM (que com ele soma DOIS) ou DOIS (com ele soma TRÊS), para que por DUAS ou TRÊS testemunhas toda a estória seja confirmada como previsto em Deuteronômio 19:15.

Se o ofensor ainda assim não se mostrar arrependido, o caso deve ser levado à igreja local para exame do assunto (isso se o pecado cometido for suficientemente grave para afetar a comunhão da igreja local).

Se o ofensor não se arrepender diante da igreja, ele não deve mais ser considerado um cristão, mas sim como ímpio (gentio e publicano). É claro que tal tratamento deve envolver todos os esforços para leva-lo ao arrependimento.

A decisão da igreja local em ASSUNTOS DE DISCIPLINA será ratificada no céu. Tudo o que ligardes na terra neste contexto refere-se apenas ao perdão do pecador. Já tudo o que desligardes refere-se à exclusão do pecador impenitente. É claro que as estas decisões devem ser tomadas sempre com oração, conforme a Palavra e sob orientação do Espírito Santo. Por isso, quando Jesus soprou o Espírito Santo aos apóstolos disse-lhes: “Àqueles a quem perdoardes os pecados lhes são perdoados; e àqueles a quem os retiverdes lhes são retidos.” João 20:23.

A promessa de que a oração será atendida se ao menos DOIS de vós concordardes, fornece uma prova de que as decisões tomadas pela igreja local, NAS QUESTÕES DE DISCIPLINA, serão divinamente aprovadas se levadas a Deus por meio da oração. Essa promessa relativa À ORAÇÃO DE COMUM ACORDO NAS QUESTÕES DE DISCIPLINA (à luz do contexto) somente será ligada ou desligada nos céus PORQUE onde estiverem DOIS ou TRÊS (duas ou três testemunhas) reunidos em meu nome, ou seja, com autoridade para ligar ou desligar, aí estou Eu no meio deles. Observe que Jesus fala de uma igreja cristã já indicando sua ausência física.

Assim, quando duas ou mais pessoas se reúnem no nome de Jesus, em obediência à Sua palavra, têm a autoridade vinda de Deus para a solução de questões disciplinares. O foco desse texto é a solução de um “litígio” entre irmãos na igreja local. Isso mostra que Deus está no meio do Seu povo, conferindo-lhe a autoridade de Seu nome, quando estes se reúnem para decidir questões disciplinares. Assim, a presença de Deus confere autoridade na condução da disciplina ao ofensor que precisa arrepender-se de seu pecado. Esse é o significado correto desse texto à luz do seu contexto. A presença de Jesus confere valor à atividade disciplinar da igreja no tratamento de litígios entre irmãos.

Assim, não há nada de estranho neste versículo, pois Bíblia comprova que Deus ouve as nossas orações quando estamos sozinhos. Jesus nos ensinou a entrar no quarto e orarmos a Deus sozinhos. O próprio Cristo orou várias vezes sozinho.
Mas, Deus também ouve as orações de dois ou três que se reúnem para outros fins justos.

O que está errado é achar que isso é uma regra que estipule que Deus está presente apenas onde temos dois ou três reunidos em Seu nome. É importante que fique claro que esse não é o significado do texto de Mateus 18 dentro do contexto apresentado.

Lembre-se que Deus é onipresente, o que significa que Ele está em todos os lugares!

“Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhaste a teu irmão;
Mas, se não te ouvir, leva ainda contigo um ou dois, para que pela boca de duas ou três testemunhas toda a palavra seja confirmada.
E, se não as escutar, dize-o à igreja; e, se também não escutar a igreja, considera-o como um gentio e publicano.
Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu.
Também vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus.
Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18:15-20


Oséias Graça Tavares

DESASTEANDO AS BANDEIRAS DOS DESIGREJADOS


“Mas o Altíssimo não habita em templos feitos por mãos de homens, como diz o profeta: O céu é o meu trono, e a terra o estrado dos meus pés. Que casa me edificareis? diz o Senhor, Ou qual é o lugar do meu repouso?” (Atos 7:48,49).

Com base no versículo acima, muitos lobos (o lobo arrebata e dispersa as ovelhas - João 10:12) têm dito que o crente não deve ir a templos de igrejas, porque são construções humanas, e Deus não habita em construções humanas. 

Bem, há diversos erros nesta afirmação:

1-  DEUS NÃO HABITA EM TEMPLOS FEITOS POR MÃOS HUMANAS.
O grande problema dos pseudos cristãos é a leitura superficial do texto. O versículo diz que o Altíssimo não habita em templos construídos por homens. Mas afinal quem é o Altíssimo? Vejamos:

Havia uma profecia do anjo Gabriel à Maria dizendo que Jesus seria chamado de filho do Altíssimo (Lucas 1:32). Assim ficamos sabendo que Jesus era Filho do Altíssimo. Porém, estes falsos crentes não sabem quem é o Altíssimo, mas até os demônios sabem quem é o Altíssimo, pois uma legião disse a Jesus com grande voz: “Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Peço-te que não me atormentes.” (Lucas 8:28). Logo, concluímos que quando a Bíblia cita o Altíssimo está referindo-se ao Pai.

2-   ONDE HABITA O ALTÍSSIMO?
Sabemos que Deus habita nas alturas (Salmos 113:5), e do alto do seu santuário, desde os céus, o Senhor contempla a terra (Salmos 102:19). Porém, o Senhor fez uma pergunta a Davi: Edificar-me-ás tu uma casa para minha habitação? E o Senhor mesmo respondeu dizendo que desde o dia em que fez subir os filhos de Israel do Egito havia andado em tendas e tabernáculos, mas levantaria um dos filhos de Davi para que este edificasse uma casa ao Seu nome (2 Samuel 7:5,6,13).

“Atenta desde os céus, e olha desde a tua santa e gloriosa habitação. Mas tu és nosso Pai.” (Isaías 63:15,16).

Assim, a habitação do Altíssimo está nos céus, mas sua glória enche os céus, a terra e todas as coisas.
Coloquei essa introdução para mostrar que o Altíssimo não pode ser limitado a estruturas construídas pelo homem, porque Ele enche o mundo inteiro, e não existe um tipo de casa que possa contê-lo. Santuário, casa, habitação, moradas, templos, tendas e tabernáculos são simbologias apenas. Deus não tem um lugar físico ou um trono físico para chamar de sua habitação. Deus enche e preenche tudo com sua glória.

“E para levares a prata e o ouro que o rei e os seus conselheiros voluntariamente deram ao Deus de Israel, cuja habitação está em Jerusalém (Esdras 7:15).”

Um leitor apressado ao ler o texto acima concluirá que Deus habita em Jerusalém. Mas, não é isso que o texto diz, senão que a habitação de Deus ESTÁ em Jerusalém.

"Ouve, pois, a súplica do teu servo, e do teu povo Israel, quando orarem neste lugar; também ouve tu no lugar da tua habitação nos céus." (1 Reis 8:30).      
      
3-  A HABITAÇÃO DE DEUS É O LUGAR ONDE A SUA GLÓRIA SE FAZ PRESENTE
“Senhor, eu tenho amado a habitação da tua casa e o lugar onde permanece a tua glória” (Salmos 26:8).

Deus prometeu que o povo de Israel Lhe faria um santuário, o Senhor habitaria no meio deles. (Êxodo 25:8). Mas muitos dirão que hoje nós somos o santuário, e que Deus habita em nós. Todavia, o Senhor Deus não muda. Houve mudança de pacto, mudança de sacerdócio, mas não há em Deus mudança e nem mesmo sombra de variação. O fato de Deus habitar em nós representativamente pelo seu Espírito Santo não anula o fato de que Deus habita no meio de nós, no meio de nossos louvores e de que sua glória encha todas as coisas, até mesmo o templo feito por mãos humanas na visitação (não habitação) do Altíssimo. Por isso a Bíblia afirma que o Deus imutável tem um único santuário para as moradas do Altíssimo (Salmos 46:4). Sim, Deus tem muitas moradas, como teve tendas e tabernáculos, mas tem um só santuário, que é a cidade de Deus.

Por isso o salmista já dizia: “Quão amáveis são os teus tabernáculos, SENHOR dos Exércitos! Porque vale mais um dia nos teus átrios do que mil. Preferiria estar à porta da casa do meu Deus, a habitar nas tendas dos ímpios.” (Salmos 84:1,10). Sim, o Altíssimo sempre teve muitas moradas, tabernáculos e tendas, mas um único Santuário onde Cristo ofereceu o seu sangue imaculado prefigurado pelo Santo dos Santos, onde o Senhor nos introduzirá, no lugar da Sua habitação, no santuário, ó Senhor, que as tuas mãos estabeleceram. (Êxodo 15:17) .

Hoje, nós somos os tabernáculos, não somos os templos de Deus. Somos O TEMPLO de Deus, e o Espírito de Deus habita em NÓS. (1 Coríntios 3:16).

O corpo de cada um de nós é um tabernáculo, algo frágil, temporário e finito. Por isso Paulo disse que se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos humanas, eterna, nos céus. E por isso também gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação, que é do céu. (2 Coríntios 5:1,2).

Por isso, embora tenhamos o penhor do Espírito Santo, enquanto estivermos no corpo (tabernáculo), vivemos ausentes do Senhor. Mas se desejamos deixar este corpo, para habitar com o Senhor, como pode este corpo ser individualmente seu templo? Individualmente este corpo é um tabernáculo, e não um templo. (2 Coríntios 5:5,6,8).

Contudo, coletivamente nossos corpos são O TEMPLO. Vejam a diferença:

"Não sabeis vós que os vossos corpos (plural) são membros (plural) de Cristo?" (1 Coríntios 6:15).

"Ou não sabeis que o vosso corpo (singular) é o templo (singular) do Espírito Santo?" (1 Coríntios 6:19).

“Jesus Cristo é a principal pedra da esquina; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor. No qual também vós JUNTAMENTE sois edificados para morada de Deus em Espírito.” (Efésios 2:20-22).

4- SE DEUS NÃO HABITA EM NADA FEITO PELAS MÃOS DOS HOMENS, ONDE NOS CONGREGAREMOS?
Há um ensinamento bíblico que nos ordena a não deixarmos de nos congregar. Contudo, há um erro por parte dos desigrejados em julgar que o motivo de nos reunirmos é por causa de Deus. O templo ou qualquer outra construção onde os irmãos possam se reunir são locais construídos por mãos humanas.

ENTÃO NÃO É NECESSÁRIO IR AO TEMPLO?

"E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum." (Atos 2:44).

Na verdade, temos várias razões para irmos ao templo. Mas, nenhuma delas por causa de Deus. Vejamos:

1- Devemos ir ao templo para comungar com os nossos irmãos;
2- Devemos ir ao templo para ajudar os irmãos mais necessitados;
3- Devemos ir ao templo para interceder por nossos irmãos;
4- Devemos ir ao templo compartilhar dons espirituais;
5- Devemos ir ao templo dar testemunhos;
6- Devemos ir ao templo ouvir a palavra de Deus;
7- Devemos ir ao templo estudar a palavra de Deus;
8- Devemos ir ao templo participar da ceia;
9- Devemos ir ao templo fortalecer os irmãos fracos na fé.

"E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações." (Atos 2:42).

Resumindo, vamos ao templo apenas para ter comunhão com nossos irmãos em Cristo.

5-  ONDE OS APÓSTOLOS E A IGREJA PRIMITIVA SE REUNIAM?

A- NAS CASAS
O escritor Bob Fitts defende o desenvolvimento de igrejas em casas.

"E, considerando ele nisto, foi à casa de Maria, mãe de João, que tinha por sobrenome Marcos, onde muitos estavam reunidos e oravam." (Atos 12:12).

“Saudai Priscila e Áquila, meus cooperadores em Cristo Jesus... saudai igualmente a igreja que se reúne na casa deles” (Romanos 16.3-5).

“Saudai os irmãos de Laodicéia, e Ninfa, e à igreja que ela hospeda em sua casa” (Colossenses 4,15).

“Ao amado Filemom e à igreja que está em tua casa” (Filemom 1,2).

Com base nos versículos acima, é óbvio que a Igreja Primitiva reunia-se em casas. Essas casas não eram o que poderíamos chamar de um prédio característico e específico de uma igreja. Eram casas em que as pessoas moravam, e eram abertas como um local de reunião para a igreja. Contudo, Bob Fitts defende as igrejas em casas alegando que o Altíssimo não habita em templo feito por mãos humanas, esquecendo-se que as casas também são construções de mãos humanas. Neste caso, também não poderíamos nos reunir em casas, e os apóstolos e a igreja primitiva teriam errado ao se reunirem nas casas.

B-  NO TEMPLO
A igreja primitiva e os apóstolos se reuniam no templo.

"E todos os dias, no templo e nas casas, não cessavam de ensinar, e de anunciar a Jesus Cristo." (Atos 5:42).

“E Pedro e João subiam juntos ao templo à hora da oração, a nona.” (Atos 3:1) – (2 ou 3 reunidos).

“E aconteceu que, tornando eu para Jerusalém, quando orava no templo, fui arrebatado para fora de mim.” (Atos 22:17)

Com base nos versículos acima, é óbvio que a Igreja Primitiva também se reunia no templo. O texto bíblico também mostra que é possível louvar a Deus mesmo estando dentro de um templo feitos por mãos humanas:

“E, saltando ele, pôs-se em pé, e andou, e entrou com eles no templo, andando, e saltando, e louvando a Deus.” (Atos 3:8).

Mas, o texto bíblico também nos mostra que era possível pecar contra um templo consagrado a Deus:

“Mas ele, em sua defesa, disse: Eu não pequei em coisa alguma contra a lei dos judeus, nem contra o templo, nem contra César.” (Atos 25:8).

C-  NO ALPENDRE DE SALOMÃO
A igreja primitiva também se reunia no alpendre de Salomão, que era um pórtico apoiado em grandes colunas e construído no pátio do Templo.

“Os apóstolos realizavam muitos sinais e maravilhas entre o povo. Todos os que creram costumavam reunir-se no Pórtico de Salomão.” (Atos 5:12).

Mais uma vez fica evidente que a igreja se reunia até mesmo na varanda do templo, pois o que importava era a comunhão entre os irmãos.

D-  NO CENÁCULO
A palavra cenáculo não aparece originalmente na Bíblia. Na verdade essa palavra vem do latim cenaculum, e é utilizada nos textos bíblicos para traduzir algumas palavras hebraicas e gregas. Basicamente, a palavra cenáculo significa algo como “sala de refeições”, ou, de modo mais genérico, “quarto no andar superior de uma casa”. Essa palavra é derivada do termo latino cena, que significa “jantar” ou “ceia”.

Já no livro de Atos dos Apóstolos, cenáculo traduz a palavra grega huperoon e indica o lugar onde os discípulos se reuniram após a ascensão de Cristo ao céu:

“E, entrando, subiram ao cenáculo, onde permaneciam Pedro e João, Tiago e André, Felipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus; Tiago, filho de Alfeu, Simão o Zelote, e Judas, filho de Tiago.” (Atos 1:13)

Foi no cenáculo onde ocorreu a escolha de Matias para ocupar o lugar de Judas Iscariotes (Atos 1:26) e onde o Espírito Santo foi derramado sobre eles no dia de Pentecostes (Atos 2).

Foi no cenáculo onde Dorcas foi ressuscitada (Atos 9:39), e também foi no cenáculo que Paulo pregava quando um Jovem, por nome de Êutico, caiu de uma janela (Atos 20:8,9).

Mais uma vez fica evidente que a igreja primitiva primeiramente se reunia no cenáculo.

Concluímos que tanto o cenáculo, quanto o templo, o alpendre de Salomão e as casas são criações de mãos humanas, e nem por isso a Igreja deixou de se reunir nestes locais.

Jesus afirmou que estaria até mesmo onde 2 ou 3 estivessem reunidos em seu nome. E, se esses 2 ou 3 se reunirem no templo o Senhor estará no meio deles, pois ali está aquele que é maior do que o templo (Mateus 12:6).

6- JESUS CUROU NO TEMPLO?
Muitos desigrejados na dureza de seus corações afirmam que Jesus jamais operou curas ou milagres no templo. De fato, Jesus ia pouco ao templo, dando preferência às sinagogas, onde Jesus operou maravilhas:

“E outra vez entrou na sinagoga, e estava ali um homem que tinha uma das mãos mirrada. E estavam observando-o se curaria no sábado, para o acusarem. E disse ao homem que tinha a mão mirrada: Levanta-te e vem para o meio. E perguntou-lhes: É lícito no sábado fazer bem, ou fazer mal? salvar a vida, ou matar? E eles calaram-se. E, olhando para eles em redor com indignação, condoendo-se da dureza do seu coração, disse ao homem: Estende a tua mão. E ele a estendeu, e foi-lhe restituída a sua mão, sã como a outra.” (Marcos 3:1-5).

Portanto, Jesus curou o homem da mão mirrada numa sinagoga, que eram locais de adoração, oração e aprendizado da palavra de Deus.

As sinagogas eram uma espécie de casa que recebia as pessoas para cultuar a Deus. Provavelmente após o cativeiro elas se multiplicaram ainda mais, por causa de seu modelo simples e funcional, e evoluíram em estrutura, tornando-se muito populares.

As sinagogas são citadas em vários trechos da Bíblia:

“Indo (Jesus) para Nazaré, onde fora criado, entrou, num sábado, na sinagoga, segundo o seu costume, e levantou-se para ler.” (Lucas 4:16).

“Depois da leitura da lei e dos profetas, os chefes da sinagoga mandaram dizer-lhes: Irmãos, se tendes alguma palavra de exortação para o povo, dizei-a.” (Atos 13:15).

“E, navegando de Pafos, Paulo e seus companheiros dirigiram-se a Perge da Panfília. João, porém, apartando-se deles, voltou para Jerusalém. Mas eles, atravessando de Perge para a Antioquia da Pisídia, indo num sábado à sinagoga, assentaram-se.” (Atos 13:13,14).

Note que as sinagogas, no tempo citado nos versículos, eram parte do culto normal do povo. E, no início do cristianismo, as sinagogas serviram como locais de propagação da Palavra de Jesus.

7-   ONDE O ANTICRISTO SE ASSENTARÁ?
O apóstolo Paulo nos advertiu para que não sejamos enganados por ninguém quanto à volta de Cristo.
Paulo ensinou que a volta de Cristo será precedida de grande apostasia, e também da manifestação do anticristo, o homem do pecado, o filho da perdição (2 Tessalonicenses 2:3).

“O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus.” (2 Tessalonicenses 2:4).

Paulo esclarece que o anticristo se oporá e se levantará contra tudo o que fizer referência a Deus e ao seu culto. E até pretenderá mesmo tomar o lugar de Deus assentando-se no próprio templo de Deus, fazendo-se passar por Deus mesmo. Porém, os desigrejados afirmam que não existe templo de Deus, e por isso jamais saberão explicar em qual templo de Deus o anticristo se assentará.

8-  DESASTEANDO AS BANDEIRAS DOS DESIGREJADOS
"Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas." (2 Timóteo 4:3,4).

Os desigrejados, destemplados, desprotocolados, os sem igreja, etc. negam a igreja como instituição, não reconhecem a autoridade do pastor sobre a igreja, pregam a proibição de reunir-se em templos, negam a aliança da santa ceia que é o sacerdócio da graça, e muitas outras tolices. Falando contra tudo e todos, contra igrejas e pastores, chamando os pastores de cães gulosos por causa de pedirem dízimos e receberem um ordenado.

Os desigrejados não lutam somente contra a reunião dos irmãos num templo. Na verdade os desigrejados não odeiam o templo, eles também não odeiam a instituição que requer líderes (pastores, presbíteros ou bispos). Por sua vez, a presença de líderes requer governo que requer sujeição e obediência, e é isto que os desigrejados odeiam. Vejamos algumas heresias pregadas pelos desigrejados:

A – NÃO HÁ LÍDERES NA IGREJA DE DEUS
“Lembrem-se dos seus líderes, que lhes falaram a palavra de Deus. Observem bem o resultado da vida que tiveram e imitem a sua fé.” (Hebreus 13:7).

A fé cristã não é uma anarquia, portanto tem que existir liderança e líderes. O próprio Cristo determinou a Pedro, e somente a ele, o pastoreio de suas ovelhas. O que não há na igreja de Deus é tirania.

A fé em Cristo não vem pelo estudar a Bíblia, mas pelo ouvir a palavra pela boca do homem de Deus: "Pois, quem é Paulo, e quem é Apolo, senão ministros PELOS QUAIS CRESTES ..." (1 Coríntios 3:5).

B – PASTORADO É UM DOM, E NÃO UM OFÍCIO.
“E, depois de terem jantado, disse Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de Jonas, amas-me mais do que estes? E ele respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta os meus cordeiros.” (João 21:15)

Mas um engano maligno dos desigrejados. O pastorado (episcopado ou bispado) não é um dom, mas sim um ministério.

“Mas a cada um de nós foi dada a graça conforme a medida do dom de Cristo. Por isso diz: Quando ele subiu ao alto, levou cativo o cativeiro, deu dons aos homens. Ele deu uns como apóstolos, outros como profetas, outros como evangelistas, outros como pastores e mestres, tendo em vista o aperfeiçoamento dos santos para o trabalho do ministério, para a edificação do corpo de Cristo.” (Efésios 4:7,8,11,12)

Observem que a nós foi dada a graça a cada um, mas aos homens (do mundo e da igreja) Cristo deu dons. Estes dons dados a todos os homens são as pessoas que exercem os ministérios de liderança de sua igreja. Assim, apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres são dons de Cristo a humanidade. O pastorado é um ministério, mas o pastor é um dom de Cristo aos homens (à humanidade) cujo objetivo é preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado (Efésios 4:12). Não há edificação do corpo sem esses aos quais foi conferida a graça de preparar os santos até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo. O propósito é que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro (Efésios 4:13,14).

E Paulo ainda explica que o pastorado é uma obra, um ministério, e não um dom: “Esta é uma palavra fiel: se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja.” (1 Timóteo 3:1).

Mas ao contrário dos desigrejados que lutam para desgarrar as ovelhas da comunhão de suas igrejas locais e da liderança de seus pastores, Cristo tem grande compaixão de ovelhas desgarradas.

“E, vendo as multidões, teve grande compaixão delas, porque andavam cansadas e desgarradas, como ovelhas que não têm pastor. Então, disse aos seus discípulos: A seara é realmente grande, mas poucos os ceifeiros. Rogai, pois, ao Senhor da seara, que mande ceifeiros para a sua seara.” (Mateus 9:36-38).

C – PASTOR DEVE TRABALHAR DE GRAÇA.
Os desigrejados afirmam que o pastorado é um dom, e por isso o pastor não deve receber salário, uma vez que o dom foi recebido de graça, e deve ser exercido de graça. Ora, tudo que um homem possui é dom de Deus. A vida é dom de Deus. Mas, eu nem vou me alongar nisto porque a Bíblia é clara demais quanto a este assunto:

“Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina; Porque diz a Escritura: Não ligarás a boca ao boi que debulha. E: Digno é o obreiro do seu salário. Não aceites acusação contra o presbítero, senão com duas ou três testemunhas.” (1 Timóteo 5:17-19).

Paulo reafirma o direito que o pastor tem de receber salário da Igreja, e ainda dá a entender que os outros apóstolos recebiam salários. No entanto, Paulo alega um satisfação pessoal em pregar sem receber salários.

“Só Barnabé e eu é que devemos trabalhar para ganhar o nosso sustento? Qual é o soldado no exército que paga as suas próprias despesas? Alguma vez já ouviram de um agricultor que depois da colheita não tenha o direito de comer dela? Qual o pastor que não tenha direito de beber do leite do seu rebanho? Nem o que eu estou aqui a dizer são meras considerações humanas. Trata-se daquilo que diz a própria lei de Deus. Porque na lei que Deus deu a Moisés está escrito: Não ponhas uma mordaça na boca de um boi para impedir que coma do trigo que está a trilhar. Acham vocês que Deus estava a pensar apenas nos bois quando disse isto? Não se referia também a nós? Com certeza que sim. Tal como aqueles que lavram a terra, e que debulham o trigo devem contar em receber parte da colheita, os obreiros cristãos devem ser pagos pelos crentes a quem servem. Nós plantamos a semente espiritual nas vossas almas. Será pois muito esperar em troca apoio material? Se já o fizeram a outros que têm pregado no vosso meio, não deveríamos nós também ter esse direito, ainda mais do que eles? E no entanto nunca o reclamamos, mas sempre suprimos nós próprios às nossas necessidades. E isto para não levantar qualquer obstáculo à ação do evangelho de Cristo no vosso meio. Vocês bem sabem, que Deus mandou que os que servissem no seu templo tomassem para seu próprio sustento parte dos produtos alimentares que eram trazidos como oferta? Igualmente os que se ocupavam do altar de Deus recebiam para si uma porção dos alimentos que ali eram oferecidos. Da mesma forma, o Senhor manda que aqueles que pregam as boas novas sejam mantidos pelos que o aceitam. E contudo nunca vos pedi fosse o que fosse. Nem tão pouco estou a escrever estas coisas para dar a entender que gostaria que se começasse agora a fazer assim comigo. A verdade é que preferiria morrer de fome do que perder a satisfação que me dá o fato de vos ter pregado sem nunca ter recebido nada vosso. Por pregar boas novas não me posso por isso vangloriar. É Deus quem me obriga a pregar. Ai de mim se não o fizer! Se eu estivesse a fazer isso de minha livre vontade, então receberia um salário. Mas é que foi Deus quem me impôs este dever. Sendo assim, qual será a minha paga? É o sentimento de profunda satisfação em anunciar as boas novas, sem encargos seja para quem for, sem reclamar aquilo que seria o meu direito.” (1 Coríntios 9:6-18).

D –   PASTOR NÃO É AUTORIDADE
“Cuidem de vocês mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo os colocou como bispos, para pastorearem a igreja de Deus, que ele comprou com o seu próprio sangue.” (Atos 20:28).

Foi o Espírito Santo quem constituiu pastores (bispos) SOBRE TODO O REBANHO para pastorearem a igreja de Deus. Logo, se rebelar ou não aceitar a liderança dos ministros constituídos por Espírito Santo é um pecado contra Deus.

Paulo afirma que um dos requisitos para ser um pastor é saber governar bem a sua casa, tendo seus filhos em sujeição com todo o respeito. Paulo coloca este requisito porque é função do pastor apascentar a igreja de Deus, tendo as ovelhas em sujeição com todo o respeito. E Paulo conclui: “Se um homem não sabe governar a sua casa, como cuidará da igreja de Deus?” (1 Timóteo 3:4,5).

Se pastor não é autoridade como afirmam os desigrejados, então porque razão a Bíblia nos admoesta a obedecê-los e a nos sujeitar a eles?

“Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil.” (Hebreus 13:17).

De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. (Filipenses 2:5-8).

Falta aos desigrejados este mesmo sentimento que houve em Jesus Cristo que mesmo sendo Deus não se apegou aos seus atributos divinos abrindo mão deles, e sendo reconhecido como servo, e como humano ficou menor do que os anjos. Este sentimento de humildade, de ser servo obediente e sujeito a Deus.

E – SÓ EXISTE UM PASTOR VERDADEIRO: JESUS CRISTO – TODOS OS OUTROS SÃO FALSOS PASTORES
Esta é mais uma rebeldia dos desigrejados contra o próprio Senhor que ordenou a Pedro que apascentasse as suas ovelhas.

O próprio Senhor deu pastores como dons aos homens. A Bíblia nos ordena não só a obedecer, mas também a ser submissos aos nossos pastores que sobre todo o rebanho o Espírito Santo os constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus (Atos 20:28).

A igreja de Deus não é uma anarquia. Jesus não veio para estabelecer um conceito sobre igreja a partir de um modelo anárquico, ou seja, algo que acontece a revelia de todos os padrões mínimos que caracterizam a formação e o estabelecimento de grupos sociais com objetivos comuns.

Pedro diz que Jesus é o SUMO PASTOR. Ora, o que seria o SUMO PASTOR senão o maioral dos pastores. E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa da glória (1 Pedro 5:4). Ou somente porque há um sumo sacerdote em Israel, os demais sacerdotes tornaram-se falsos sacerdotes?

“Por isso, irmãos santos, participantes da vocação celestial, considerai a Jesus Cristo, apóstolo e sumo- sacerdote da nossa confissão.” (Hebreus 3:1).

Se Cristo é o único pastor, também é o único apóstolo e único sacerdote. No entanto, a Bíblia cita 16 apóstolos e afirma que todos nós somos sacerdotes.

“Ora, o Deus de paz, que pelo sangue da aliança eterna tornou a trazer dos mortos a nosso Senhor Jesus Cristo, grande pastor das ovelhas.” (Hebreus 13:20).

Jesus é o grande pastor das ovelhas que confiou suas ovelhas aos pequenos pastores, aos quais Ele prometeu que jamais estariam sós.

F – SÓ EXISTE UMA IGREJA SEM PLACA DENOMINACIONAL, SEM CNPJ E SEM DÍZIMO.
“Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos.” (1 Coríntios 14:33).

Quanto ao dízimo não quero me alongar porque é algo anterior à Lei como a circuncisão, não há condenação neotestamentária como há com a circuncisão, e está no âmbito da livre administração da igreja local. Usando o poder de ligar e desligar, a Igreja ligou o diaconato e tomou algumas decisões em Atos 15, e decidiu estabelecer como oferta um percentual da renda dos seus membros.  

Um grupo de pessoas pode se associar para cultuar a Deus nas casas. Mas, qualquer reunião de cristãos tem que ter por objetivo a salvação do perdido através da pregação do Evangelho. Assim, Deus dará o crescimento, e a partir daí este grupo precisará de um lugar maior para se reunir. Precisará também OBRIGATORIAMENTE de CNPJ, razão social (placa denominacional) e alvará dos bombeiros e da Prefeitura e de todos os documentos contábeis que a Lei exige. Dai a César o que é de César, e dai a Deus o que é de Deus.

O Código Civil em seu inciso IV artigo 44, estabelece que as organizações religiosas são pessoas jurídicas de direito privado, necessitando assim, obrigatoriamente seu registro no Cartório de Pessoa Jurídica. Ou seja, obrigatoriamente tem que ter CNPJ e razão social (placa denominacional).

Mas os desigrejados não possuem o mínimo entendimento do que é igreja. Pois, se espiritualmente pudessem discernir o que é a Igreja do Senhor, saberiam que todo o corpo de Cristo, para efetuar o crescimento dado por Deus, precisa obrigatoriamente ser provido e organizado pelas juntas e ligaduras (Colossenses 2:19). Mas, os desigrejados não aceitam a organização do corpo de Cristo e também negam as juntas e ligaduras que organizam e alimentam o corpo. Portanto, mostrarei que igreja é um ajuntamento regular, localizável e organizado:

Deus não habita nem em prédios de tijolo nem em corações de pedra. Então, cabe perguntar, o que é uma igreja? Bem, igreja, conforme a doutrina cristã é um ajuntamento regular, localizável e organizado. O próprio nome grego Eclésia (Assembleia) já demanda, por si só, estas características.

Assim, não é possível estabelecer um conceito sobre igreja a partir de um modelo anárquico, ou seja, algo que acontece a revelia de todos os padrões mínimos que caracterizam a formação e o estabelecimento de grupos sociais com objetivos comuns.

É impossível pensar em igreja sem regularidade, pois, se não há um propósito para o ajuntamento, o que existe é a informalidade do encontro e tal característica, dificilmente, viabiliza a perenidade de um grupo humano. O que faz com que laços se constituam e se mantenham é a regularidade do convívio, pois, como é possível a comunidade de fé ser um Corpo se cada membro tem sua própria agenda e, sendo assim, não prioriza o encontro que atende a objetivos comuns?

Também não é possível ser igreja sem que haja um lugar para o culto, o partir do pão, a adoração, a coleta para os necessitados, o serviço solidário, o exercício dos dons, as missões, o ensino e tantas outras características que vemos no livro dos Atos e nas epístolas.

A igreja é Universal, no sentido de sua constituição atemporal, não espacial e mística, como Corpo de Cristo e Família de Deus, mas ela também é local, no sentido de seu ajuntamento geográfico formal! Todas as comunidades neotestamentárias possuíam um lugar próprio de encontro e culto, mesmo que ele fosse uma casa, um salão, ou até mesmo o cemitério! As cartas do Apocalipse, enviadas pelo próprio Senhor, bem como as cartas de Paulo, foram endereçadas a igrejas localizáveis e não apenas aos errantes espalhados pelo mundo anunciando a Salvação.

A existência de um lugar promove não só o acolhimento, mas até mesmo o desenvolvimento das pessoas, com estruturas adequadas para as ministrações, para a comunhão e o serviço. Desconstruir isso é investir na impessoalização da fé, num mundo onde tudo já está impregnado pelo virtual e pelo individual.

Por último, a igreja é organizada, uma vez que existem pessoas exercendo funções específicas e serviços sendo ministrados: assistência aos pobres, ensino das Escrituras, preparação e envio de missionários, atendimentos pastorais, atividades ligadas à oração, a adoração, dentre outros tantos. Sem uma organização, mínima que seja, não é possível uma estrutura funcionar. Não há pecado em formalizar as coisas, o pecado está no culto que se faz à forma!

Portanto, você pode ser de Deus e ser discípulo de Jesus mesmo escolhendo não se ajuntar, mas é impossível imaginar que uma igreja se estabeleça como algo casual, que acontece a qualquer hora, em qualquer lugar, ou informal, que promove encontros descompromissados. Não devemos confundir a vida dos que estão na igreja com a igreja em si.

No encontro de dois ou três, sem agenda, espaço ou propósito fixo, Jesus se faz presente, se ele for buscado e, como sabemos, Deus não se prende a templos e aboliu toda a geografia que diz respeito ao sagrado, por isso nos reunimos para ter comunhão com os irmãos. Contudo, o encontro ocasional e fortuito, de maneira nenhuma, se constitui igreja e isso conforme o que nos está dito no livro dos Atos dos Apóstolos, nas Epístolas e no Apocalipse de João.

Assim, “Desigrejado”, para mim, não é o sujeito sem igreja, mas o que escolheu não ser igreja!

“Mas se alguém quiser fazer polêmica a esse respeito, nós não temos esse costume, nem as igrejas de Deus.” (1 Coríntios 11:16).

9-   AS RAZÕES DE ESTEVÃO
Estêvão declarou enfaticamente que o Altíssimo não pode ser limitado a estruturas construídas pelo homem, porque Ele enche o mundo inteiro, e não existe um tipo de casa que possa contê-lo.
Estêvão fôra acusado de blasfemar contra Deus por rejeitar o Templo. Sua resposta foi que a história de Israel provou por si mesma que o Templo era apenas uma instituição temporária e não era essencial para a verdadeira adoração a Deus. No entanto, nem Estevão e nem nenhum apóstolo ensinou que os cristãos não devam erguer construções onde os crentes possam estar juntos e ter tudo em comum, e onde possam perseverar na doutrina dos apóstolos, e manter comunhão com os irmãos no partir do pão, e nas orações (Atos 2:42,44).

“Olhemos uns pelos outros para estímulo à caridade e às boas obras. Não abandonemos a nossa assembleia, como é costume de alguns, mas admoestemo-nos mutuamente, e tanto mais quando vedes aproximar-se o Grande Dia. Depois de termos recebido e conhecido a verdade, se a abandonarmos voluntariamente, já não haverá sacrifício para expiar este pecado. Só teremos que esperar um juízo tremendo e o fogo ardente que há de devorar os rebeldes.” (Hebreus 10:24-27).

Oséias Graça Tavares

A MISERICÓRDIA TRIUNFA SOBRE O JUÍZO

“Porque o juízo será sem misericórdia sobre aquele que não fez misericórdia; e a misericórdia triunfa do juízo.” Tiago 2:13

  I.    UM PASTOR MISERICORDIOSO

No fim do ano de 1988, eu cursava o segundo ano do segundo grau (atual ensino médio), e fui comunicado que a avaliação final de Educação Física consistiria de uma dança de candomblé vestido a caráter. A direção da escola informou que somente os evangélicos seriam liberados da dança mediante a apresentação do cartão de membro ou de uma declaração de uma igreja evangélica confirmando a filiação do aluno.

Eu, embora fosse nascido e criado numa Assembleia de Deus, eu não era membro de igreja alguma, e nem mesmo era batizado. Mas, não dançaria e nem me vestiria com aqueles trajes de modo algum.

Conversei com a minha mãe acerca da avaliação final de Educação Física, e decidimos conversar com o pastor da igreja dela, onde eu havia sido criado, e onde eu não frequentava, e nem mesmo visitava, desde 1982 quando ainda era uma criança.

Eu pedi ao pastor que emitisse uma declaração em papel timbrado da igreja, assinada, carimbada e com data atual confirmando a minha filiação ao rol de membro daquela igreja já há algum tempo, com o objetivo de ludibriar a escola e não participar daquele ritual de candomblé.

Na verdade, eu pedi ao pastor para mentir confirmando que eu iria ludibriar a escola com aquela mentira.

Bem, o pastor Antônio era um homem sério e tremendamente rígido, integro e temente a Deus. Era um homem zeloso com as coisas da igreja.

O pastor Antônio sempre morou na mesma casa numa favela em Rocha Miranda, subúrbio do Rio de Janeiro. Até aos 70 anos de idade, ele usava uma bicicleta velha como meio de transporte para ir à igreja em outro bairro. Apesar de ter cinco filhos, nenhum deles era de sua igreja, e nem mesmo sua esposa, que é da Igreja Batista junto com três filhas .

Ao completar 70 anos, a igreja matriz o convenceu a receber um carro popular para o seu deslocamento até a igreja. Mas, mesmo com a idade bem avançada, este pastor continuou a subir no telhado para tocar pessoalmente as obras e os reparos no prédio da igreja, que ele pessoalmente construiu.

Este pastor quando jovem sobreviveu a atropelamento por trem. Com o avançar da idade e com câncer de próstata ia ministrar o culto muitas vezes usando fralda geriátrica. O pastor Antonio pediu a Deus para morrer na igreja trabalhando na obra do Senhor.

Então, este pastor temente a Deus respondeu ao meu pedido de forma positiva, dizendo: “Eu não terei a menor dificuldade em te dar esta declaração, porque eu sirvo em novidade de espírito que ama, e não na velhice da letra fria da Lei que condena.”

II.    O CUMPRIMENTO DA LEI E A NECESSIDADE HUMANA

“E aconteceu que, no segundo sábado após o primeiro, passou pelas searas, e os seus discípulos iam arrancando espigas e, esfregando-as com as mãos, as comiam. E alguns dos fariseus lhes disseram: Por que fazeis o que não é lícito fazer nos sábados?” Lucas 6:1,2

Os fariseus acusaram aos discípulos de Jesus de praticarem o que não é lícito fazer num sábado (Mateus 12:2). E obviamente eles também acusavam a Jesus de acobertar tal ilicitude.

Os fariseus não objetaram à apropriação das espigas, pois a Lei o permitia (Deuteronômio 23:24,25). Eles, no seu zelo de guardar a letra da Lei nos mínimos detalhes, estavam criticando o trabalho manual de colher espigas realizado num sábado, como sendo uma violação de Êxodo 20:10.

Portanto, a interpretação restrita da Lei encarava o apanhar e debulhar de espigas como trabalho, o qual não era permitido aos sábados.

Jesus respondeu a acusação dos fariseus com os três argumentos a seguir:

1- Jesus cita Davi e os pães da proposição (I Samuel 21:1-6). Embora a Lei divina restringisse os pães da proposição aos sacerdotes (Levítico 24:9), a extrema necessidade humana invalidava este regulamento. (Marcos 2:25,26).
Jesus se referiu às Escrituras dando uma ilustração diferente da vida de Davi. Se Davi pôde, em uma emergência, fazer o que era ilícito, porque Ele não podia?

Assim, Jesus ressalta que a condenação e o juízo da Lei não prevalecem diante da misericórdia e do amor. Assim como Davi estava em necessidade e teve fome, e comeu os pães da proposição, dos quais não era lícito para ele comer, os discípulos de Jesus também estavam com fome num sábado (Mateus 12:1), e colheram as espigas para saciar a fome a despeito da proibição da Lei quanto ao sábado.

Isto nos mostra que a necessidade do homem está acima da fria obediência da letra da Lei, e neste caso a violação da Lei é isenta de culpa (Mateus 12:5). Jesus ratifica este conceito quando expõe um novo princípio: “O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado.” (Marcos 2:27).

Do mesmo modo, a Lei foi feita por causa do homem, e não o homem por causa da Lei. Assim o Filho do homem até do sábado é Senhor (Marcos 2:28). Cristo não estava declarando sua liberdade e autoridade para violar a lei do sábado, mas antes declarava sua qualificação para interpretar corretamente a Lei sob a ótica da misericórdia.

A característica principal desta ótica encontra-se na declaração acerca de Davi: “quando estava em necessidade”. Cristo está declarando que a necessidade humana supera qualquer mero preceito ritualístico e cerimonial da Lei.

Este princípio era invertido naqueles dias pelos fariseus, e até hoje este princípio continua sendo invertido no meio do povo de Deus, porque este povo ainda tem prazer em ver o juízo triunfar sobre a misericórdia.

2- Cristo mostra que a lei do descanso sabático não era intransponível, pois dos sacerdotes se exigia pela própria lei que trabalhassem no sábado (Números 28:9,10). O argumento é, se os sacerdotes não são culpados ao trabalhar no sábado para promoção da adoração no templo, quanto menos culpa têm os discípulos em usar o sábado para a obra de Cristo, que é a realidade espiritual para a qual o Templo apontava.

E Jesus termina dizendo: “Pois eu vos digo que está aqui quem é maior do que o templo.” (Mateus 12:6). Cristo não estava declarando sua liberdade e autoridade para violar o templo, mas antes declarava sua perfeita qualificação para ensinar acerca da Lei sob a ótica da misericórdia.

3- Após se identificar como Senhor do sábado, Cristo afirmou que os fariseus não conheciam a vontade de Deus e nem o seu imenso amor: “Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenaríeis os inocentes.” Mateus 12:7)

Vejam que após admitir que seus discípulos “violaram” o sábado, Jesus afirmou que os fariseus não sabiam interpretar a Lei, e, por conseguinte, condenavam inocentes porque não sabiam discernir o sentido em que Deus quer misericórdia, e não sacrifício. 

Mas, por quê inocentes precisariam de misericórdia? Não eram inocentes por não violarem a lei, mas eram inocentes por violarem a lei numa necessidade emergente. 

O sacrifício neste contexto poderia estar ligado à passagem anterior acerca do jejum (Marcos 2:18-23 e Lucas 5:33-39). Mas, refere-se também ao fato de que, por ser um sábado, os discípulos não poderiam colher as espigas a despeito deles estarem com fome, e de ter as espigas prontas para serem colhidas na seara a sua frente. E, isto com certeza seria um enorme sacrifício.

O que Jesus condena é o fato de alguém com fome e tendo a comida na seara, se sacrificar deixando de comer para obedecer a um preceito frio da Lei. Jesus afirma que Deus não quer isto, e diz que quem pensa assim não entendeu a mensagem de Deus quando disse: “Misericórdia quero, e não sacrifício”.

III.    FAZER O BEM ESTÁ ACIMA DA OBSERVÂNCIA DA LEI?

“Então Jesus lhes disse: Uma coisa vos hei de perguntar: É lícito nos sábados fazer bem, ou fazer mal? salvar a vida, ou matar?” Lucas 6:9

Mas, Jesus segue adiante com os seus discípulos, e noutro sábado foram à sinagoga, onde estava um homem que tinha uma das mãos mirrada; e os fariseus, para o acusarem, o interrogaram, dizendo: É lícito curar nos sábados? (Mateus 12:9,10).

A resposta de Jesus demonstra bem o que é a misericórdia triunfar sobre o juízo: “Qual dentre vós será o homem que tendo uma ovelha, se num sábado ela cair numa cova, não lançará mão dela, e a levantará? Pois, quanto mais vale um homem do que uma ovelha? É, por consequência, lícito fazer bem nos sábados.” (Mateus 12:11,12).

Na graça, todas as coisas nos são lícitas, e algumas não nos convém (1 Coríntios 10:23). Mas, o que não convém é matéria de conveniência, e não de ilicitude. Assim, até mesmo a mentira pode ser justificada como um ato de misericórdia. Ou não é lícito nos sábados fazer bem?

Qual dentre vós seria o homem que sabendo a localização de um amigo, e ao ser questionado pelos homens que querem mata-lo, contaria aos assassinos onde está o amigo somente para não proferir uma mentira? Pois, quanto mais vale a misericórdia de preservar uma vida do que a obediência à letra fria da Lei?

IV.    A PRUDÊNCIA E A NECESSIDADE HUMANA

“E louvou aquele senhor o injusto mordomo por haver procedido prudentemente, porque os filhos deste mundo são mais prudentes na sua geração do que os filhos da luz. Lucas16:8

A parábola do mordomo infiel (Lucas 16:1-11) traz uma mensagem espiritual grandiosa, pois mostra um mordomo ciente que seria demitido por má gestão do patrimônio do patrão, e que decide, por conta própria, dar generosos descontos aos empresários que deviam ao seu patrão, visando obter um novo emprego por meio da gratidão daqueles empresários aos quais ele concedeu generosos descontos.

O patrão daquele mordomo foi prejudicado pela sua atitude, mas o patrão da parábola elogiou o mordomo infiel. Ainda que o senhor daquele mordomo não aprovasse seu procedimento, não pôde deixar de admirar seu recurso, ao qual chamou de prudente.

E Jesus, que é representado na parábola pelo patrão, complementa: “porque os filhos deste mundo são mais prudentes na sua geração do que os filhos da luz.” (Lucas 16:8).

O que Jesus definiu como prudente foi uma atitude ardilosa do mordomo. Mas, o mordomo agiu de forma ardilosa como prudência para evitar ficar desempregado e vir a passar necessidade como Davi com os pães da proposição do templo, e como os discípulos de Jesus na seara.

Assim, não é só a necessidade humana que supera toda a frieza dos preceitos da Lei, mas também algo que possa vir a nos colocar em necessidade está semelhantemente acima toda a frieza dos preceitos da Lei. E o mordomo foi elogiado e por agir ardilosamente e por prudentemente antever que a sua demissão o colocaria em estado de necessidade humana, pois nem mesmo de mendigar ele poderia viver.

Muitos de nós Já ouvimos muitos crentes dizendo que não obedeceram ao chefe quando  este os mandou mentir dizendo que não estava presente. Contudo, desobedecer ao chefe também é pecado, assim como mentir. Falta prudência a estes crentes, pois serão demitidos e colocarão a família em dificuldades. De fato, os filhos deste mundo são mais astutos no trato entre si do que os filhos da luz.

V.    A LIÇÃO ESPIRITUAL GRANDIOSA

Leia com atenção as palavras de Jesus a seguir:

“E eu vos digo: Granjeai amigos com as riquezas da injustiça; para que, quando estas vos faltarem, vos recebam eles nos tabernáculos eternos. Quem é fiel no mínimo, também é fiel no muito; quem é injusto no mínimo, também é injusto no muito. Pois, se nas riquezas injustas não fostes fiéis, quem vos confiará as verdadeiras? E, se no alheio não fostes fiéis, quem vos dará o que é vosso?”  (Lucas 16:9-12).

Por meio das riquezas de origem iníqua fazei amigos, disse Jesus. Aqui riquezas é a tradução de mamom, a palavra aramaica que significa dinheiro ou propriedades. O mordomo infiel sabia que ele ganhara a gratidão daqueles empresários cujas contas ardilosamente ele reduziu o valor que era devido ao seu patrão. Eles apreciariam o alívio financeiro e estariam prontos a ajudá-lo. O Senhor Jesus deu a entender que as propriedades terrenas podem ser usadas para ajudarmos os outros, cuja gratidão nos garantirá boas-vindas na eternidade. E que aqueles que não se tornam fiéis nas riquezas injustas, ninguém lhes confiará as riquezas verdadeiras. Neste contexto, o uso dos bens materiais é um teste de caráter. Aqueles que não podem usá-los com sabedoria não merecem ter responsabilidades espirituais.E, sabedoria aqui neste contexto nada mais é do que prudência, esperteza, astúcia e ardil.

Eu disse anteriormente que a parábola do mordomo infiel traz uma mensagem espiritual grandiosa acerca da graça, do perdão, do amor e da misericórdia.

Muitos não têm misericórdia daqueles que consideramos pecadores, e praguejam juízos temporais e eternos sobre a vida daqueles com pecados mais evidentes. E ainda acusamos de acobertadores de pecados  àqueles que agem com misericórdia para com os pecadores.

Esta parábola do mordomo infiel muito nos ensina acerca do dia terrível do juízo. E Jesus advertia com essa parábola, que neste dia daremos conta da administração de nossas vidas e das nossas relações com nosso próximo. Todos enfrentaremos o juízo divino. A verdade é que ninguém é perfeito. Todos cometemos erros nas nossas ações e nas nossas relações com Deus (o patrão) e com o próximo (os empresários). Certamente cada ser humano será achado em falta neste juízo.

Falhamos em tudo que recebemos de Deus para ser e para fazer, e erramos em nossos julgamentos morais e existenciais. Falhamos desde a administração da nossa inteligência, da nossa energia e da nossa criatividade até no uso dos talentos que recebemos para usar a serviço do reino. Ao contrário, muitas vezes buscamos fazer a nossa própria vontade, e satisfazer nossos desejos carnais.

De forma que, ao passar pelo minucioso exame divino, se apelarmos para nossas obras, fidelidade, santidade e obediência, seremos certamente achados em falta. Quem poderá subsistir ao juízo divino? (Salmos 130:3,4).

Assim, quando chegar o dia de prestação de contas, se chegarmos diante de Deus apresentando o padrão relacional humano, onde as relações são regidas pelos binômios custo x benefício, créditos x débitos, erros x acertos existenciais, apelando para o que fizemos de certo ou errado, seremos nada mais que mordomos infiéis e condenados.

O mordomo infiel da parábola tem a revelação dessa contabilidade existencial mesquinha, tão usada no cotidiano dos homens. E ele percebeu que se fosse julgado com essa perspectiva de erros e acertos, de créditos e débitos, ele não sobreviveria ao absoluto juízo do seu Senhor.

Ele entende que suas ações tinham que expressar algo que ia além daquela simples e fria matemática. De modo que, o mordomo infiel se apressa a relativizar suas contas, e suaviza também as dívidas daqueles que as tinham com seu patrão, de acordo com os padrões da graça e da misericórdia.

Quem sabe que é pecador e tem consciência de que é apenas um mordomo infiel dos bens do Senhor, sabe que um dia prestará contas ao Senhor, e assim passa a suavizar com a misericórdia todos os seus vereditos, sentenças e juízo de valor acerca do próximo.

Daí, o mordomo infiel manda chamar todos os devedores do seu patrão. E começa uma nova conta, suavizada, que vai além da matemática fria, que vai além de débitos e crédito, que vai muito além de erros e acertos, se achegando à graça e à misericórdia.

O mordomo infiel sabia que precisava de um julgamento baseado não em erros e acertos, mas baseado na graça de Deus, e ele começa a distribuir graça e perdão. Ele muda a forma como as dívidas eram vistas e cobradas. Ele passa a agraciar os seus julgamentos e sentenças. Ele compreende assim os parâmetros do reino de Deus.

Ele entendeu que a graça, o perdão e a gratidão eram infinitamente superiores, e fariam mais diferença na hora do juízo, do que a tentativa de exigir que os devedores de seu Senhor pagassem tudo o que deviam conforme constava nas papeletas. Mas, ele cancela os escritos de dívidas que eram prejudiciais àqueles devedores, e reescreve com misericórdia.

É assim, um lindo e maravilhoso ensinamento de Jesus, o Mestre dos Mestres!
Quem reconhece que tem falhas, passa imediatamente a suavizar os seus julgamentos acerca do próximo, e muda os parâmetros de erros e acertos, de dívidas e pagamentos, para os parâmetros do perdão e da graça, no qual, a misericórdia triunfa sobre o juízo!
  
CONCLUSÃO

O pastor Antônio de Souza Oliveira faleceu aos 85 anos no fim de 2015, ao escorregar e bater a cabeça numa pilastra quando, sozinho, limpava a caixa d’água do prédio da Assembleia de Deus de Bento Ribeiro no Rio de Janeiro. Assim, este pastor teve atendido por Deus o seu pedido para morrer na igreja trabalhando na obra do Senhor. E foi assim numa manhã de sábado.
Este artigo é uma homenagem póstuma a este servo do Senhor.


“O qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica.” 2 Coríntios 3:6


 Marcos Silva